Negra, eu?

Já são quase dez horas da noite e o suor ainda escorre. As veias saltitam nos olhos, pescoço e braços, enquanto a coluna é prejudicada pela repetição de: agachar, ajoelhar, limpar… agachar, ajoelhar, limpar…

Me olho no espelho e o reflexo que vejo é: revolta, dor, solidão…

Sinto minha coluna voltar a queimar, e é uma dor daquelas de movimentos repetitivos.

Minhas mãos molhadas já não se misturam com o resto de meu corpo e eu permaneço intacta, com medo de sujar o chão que acabara de ser limpo pelo rodo nas mãos de outra mulher.

Hoje é sexta-feira, e para alguns o dia ainda está começando, porém nos olhos através daquele suor e rodo o dia é trajado de orações para que as horas de trabalho finalmente se acabem.

Eu, negra e estudante, numa universidade privada, dominada por pessoas brancas, me senti o pano que lambia os ladrilhos de um banheiro feminino sujo. Aquela outra negra era eu, e meu reflexo no espelho era ela.

Mãos atadas e húmidas dirigiam-se novamente a sala de aula para estudar: Casa Grande e Senzala, de Gilberto Freyre. Irônico, não?

Segundo a história do Brasil, A Lei Áurea, oficialmente Lei Imperial n.º 3.353, sancionada em 13 de maio de em 1888 extinguiu a escravidão no Brasil.

24/03/2017. Uma mulher negra ás 21:53 da noite limpa o chão de uma universidade comandada por um homem branco. 21:56 da noite, uma mulher negra faz um comentário sobre o fato das relações sexuais no período colonial brasileiro terem sido consumados entre o homem branco e as mulheres negras, através de estupros, com a justificativa segundo estes homens que relações estas eram consumadas devido à escassez de mulheres brancas no período das grandes navegações.

Vemos aqui então, o inicio do famigerado machismo patriarcal na sociedade brasileira.

22:15 da noite, uma negra comenta com a outra:

– Se a gente ainda tivesse no período da escravidão, estaríamos fudidas!

As mãos secaram. O suor foi limpo nas mangas de um uniforme quente. E as diferenças se completaram e se uniram numa só negra. E nisso não há nenhuma ironia.

Anúncios

5 comentários em “Negra, eu?

Adicione o seu

  1. É minha cara, em pleno século XXI e os assuntos ainda dependem de um século que não é meu e nem seu, mas que macula nossa pele de mulheres, não importa qual a cor, mas infelizmente para umas a cor tem muito mais peso ainda. E vivemos sim, no tempo da escravidão e eu vivo em espera que esse tempo passe.
    bacio

    Curtir

Comente sobre isso

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Site hospedado por WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: