Me deixe ser a luz

Ei, tire os teus olhos cansados e os coloque para secar na janela.
Deixe com que a atmosfera da vida desamasse essa tua alma amassada.
Permita que teus ossos sintam um abraço daqueles que quebram saudades.

Ei, cuspa essa tua sorte que você insiste em mastigar feito carvão.
Não se preocupe com os fracassos do tempo.
Nem faça da chuva tua maior rival.

Ei, porque você insiste em esconder seu sorriso?
Por que você deixa teu coração andar cabisbaixo?
Por que você nunca deixa a esperança bater em sua porta?

Ei, o medo é aliado dos sonhos.
Mas sempre que você se sentir insegura,
Tente voar o mais alto que tua imaginação conseguir.

Ei, você sabe por que eu ainda estou aqui?
Por que ainda permaneço,
Mesmo você me trancando pra fora da sua vida?

Exato.
Eu sou a própria luz que você insistiu em apagar um dia.
Mesmo que a escuridão se faça presente
É só você clamar por uma salvação e eu logo irei resgatá-la.

Ei, coloque para dormir estes ombros cansados.
Tire os sapatos e deixe a natureza agir sobre seus pés.
Depois me confidencie,
Se teu único amor
Não é de fato tua jornada espiritual de sorte.

Com amor,
A luz que nunca te apagará.

Sem medo de TEMER

Ontem eu não tive medo de chorar ao dizer que te amava.

Ontem eu não tive medo de dizer que sinto sua falta.

Ontem eu não tive medo de dizer tudo o que você representa pra mim.

Ontem eu não tive medo de andar de mãos dadas.

Ontem eu não tive medo de andar abraçada.

Ontem eu não tive medo de te beijar depois de muito tempo.

Ontem eu não tive medo do pôr do sol acabar.

Ontem eu não tive medo de dormir no seu ombro.

Ontem eu não tive medo de não conseguir te escrever.

Ontem eu não tive medo de ficar esperando você chegar.

Ontem eu não tive medo de sentir frio.

Ontem eu não tive medo de te paquerar.

Ontem eu não tive medo de dizer que queria fazer amor com você.

Ontem eu não tive de saber que você já está em outra.

Ontem eu não tive medo do seu abandono.

Ontem eu não tive medo de você.

Ontem eu não tive medo pela gente.

Ontem eu não tive medo de você dizer que me odeia.

Ontem eu não tive medo de ouvir você dizendo adeus.

Ontem eu não tive medos.

Ontem eu tive coragem de te dizer o que eu sinto, sem medo de ser apenas eu.

Por que as flores morrem?

Me lembro do seu quintal de flores e daquela rosa branca que você teve dificuldades de arrancar da roseira e acabou cortando toda a delicadeza das tuas mãos ao me entregar uma flor.

Foi a primeira vez na minha vida que eu ganhei uma flor de alguém.

Te confesso que cuidei dela com tanto zelo, mas infelizmente, ela morreu…

As flores morrem tão cedo, não é mesmo?

Às vezes eu paro em frente ao seu portão só para apreciar seu jardim e fico ali relembrando aquela noite, aquela rosa, o seu sorriso e a minha reação.

Por que as flores morrem e as lembranças ferem como espinhos de rosas brancas?

Você não me rega mais

Caminhei muito tempo por aqui indo ao encontro seu.

As vezes tarde da noite.
As vezes no meio da tarde.

Eu trazia junto comigo um velho sorriso jovem,
Mas para você isso jamais foi o suficiente.

Confesso que sempre fui insegura,
E nunca levei fé na reciprocidade das nossas emoções.

Eu nunca sabia ao certo o que dizer,
Então as vezes eu lhe trazia poemas,
Ou até um rabisco simples
Num pedaço de papel qualquer…

Não era muito
Mas era tudo o que eu tinha a te oferecer.

Eu aprendi a conversar com teus olhos
E eles sempre falavam o que sua boca nunca me dizia.

Sim, eu me apaixonei.

Agora eu não sei ao certo,
Se foi pelo modo que você fazia eu me sentir jovem.
Se foi pelo modo como você me ganhava quando me abraçava com um olhar.
Se foi pelo sorriso.
Ou até,
Por todas as vezes que você colocava a mão no meu peito me pedindo para ir embora.

Eu não sei.

Dizem que eu falo demais.
Dizem que eu penso demais.

Dizem…

Mas ninguém nunca falou que eu sinto demais.

Que eu me entrego demais
Que eu amo tanto
Que tudo o que eu toco
Vira um poema.

Ontem de madrugada eu passei por aqui,
Não tinha ninguém
Apenas um homem dormindo ao relento
No mesmo lugar que eu costumava ficar
Quando te esperava sair só pra te entregar um pedaço de mim.

Ah, sim.
Já ia esquecendo…

Vi seu vaso de flores amarelas essa manhã,
Elas são realmente lindas
Seria bem legal se você pudesse
Ao invés de água rega-las com essa minha poesia de despedida.

Eu errei.
Erramos.

Adeus.

 

Cafés, poemas e saudades

As noites se tornam tão frias quando eu não tenho sua xícara de café ao lado da minha.

Quando as ideias se dissipam e se mesclam com o aroma dos grãos que nos abraçavam enquanto nossos olhos se beijavam por toda uma madrugada. Continue lendo “Cafés, poemas e saudades”

Tem uma Segunda na minha Terça-Feira

Algumas segundas-feiras são solitárias
e você se pega tomando cerveja às 9:30 da manhã
enquanto encara alguns amendoins velhos e rançosos.

O sol bate no parapeito da sua janela
mas pela primeira vez em sua existência
tudo o que você deseja é chuva. Continue lendo “Tem uma Segunda na minha Terça-Feira”

Apenas me deixe partir…

Deixe-me não saber sobre você ou sobre teus segredos que insistem em grudar em minha própria pele.

Por mais longe que eu vá, mais perto meu coração fica de você.

Arrasto um trem com a boca todos os dias na esperança de ser o suficiente para abafar a dor.

Você não sabe, mas o fundo do poço não é fundo o bastante para mim.

Eu realmente peco pelo encontro dos teus olhos e não há vergonha nenhuma nisso.

Mas eu te imploro, apenas me deixe ir…
Mas eu te imploro, apenas me deixe ir…

Você mesma jamais poderá devolver minha sanidade, ninguém poderá.

Então eu me descontrolo enquanto ouço o som da sua voz e bebo um cálice de despedida todos os dias antes da janta.

Eu quero que você prometa que nunca irá partir…

Amanheceu, me viro para o lado e me pergunto. Aonde estará exalando seu perfume agora?

 

Um filme na janela

Um longa metragem sobre a própria vida na janela de um ônibus qualquer

A vida é tão diferente quando as outras vidas passam correndo lá fora ao contrário da nossa direção

Um braço se estende
Um sorriso se acende

Parece até que o universo conspira ao nosso favor, ou talvez não

Eu olho os faróis e não entendo porque eles não somem quando estamos com pressa

O que eu fiz da minha vida porque até aqui nada mudou

Todo o dia viajando na mesma janela em busca de um sol que me esquente ou de uma sombra que me cubra do sol

A música no estéreo rola. Bossa nova, made in Brasil

Estaciono meus pensamentos em vagas já preenchidas e deixo o motor morrer só para ver se uma alma caridosa me ajuda a botar no lugar a minha própria existência

Todas as janelas do mundo jamais serão o bastante para contracenar comigo

E eu sigo, persigo, rumo a um itinerário qualquer.

#ELA

Quando eu tô com ela, eu tô com ela.

Tô com o sorriso dela

Tô com a boca dela

Tô com os olhos dela

Tô com a sobrancelhas dela

Tô com os dentes dela

Tô com a pigmentação da pele dela

Tô com o cheiro do pescoço dela

Tô com a voz dela

Tô com os mamilos dela

Tô com a barriga dela

Tô com o umbigo dela

Tô com a bunda dela

Tô com a vagina dela

Tô com as pernas dela

Tô com os pelos dela

Tô com a cólica dela

Tô com os orgasmos dela

Tô com a inteligência dela

Tô com a simplicidade dela

Tô com os carinhos dela

Tô com as digitais dela

Tô com os medos dela

Tô com o sono dela

Tô com a fome dela

Tô com o cansaço dela

Tô com os sonhos dela

Tô com as emoções dela

Tô com o Deus dela

Tô com as aventuras dela

Tô com os amores passados dela

Tô com os conflitos dela

Tô com as saudades dela

Tô com a família dela

Tô com as memórias dela

Tô com os textos dela

Tô com o tédio dela

Tô com as fraquezas dela

Tô com as inseguranças dela

Tô com a alma dela

Estou com ela,

Nela…

Site hospedado por WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: